As faces da paternidade

“O que mudou com a paternidade? O que você não fazia antes e agora faz ?”

 

Olá Mamães Toda Hora, novamente tenho a honra de participar do momento papai toda hora…já estava com saudades!!!

 

Hoje vou comentar um assunto que fora abordado anteriormente, a partir do olhar do papai, com uma leve diferença… as mamães listaram o que faziam antes e não fazem mais…resolvi listar o que não fazíamos antes e a partir da paternidade começamos a fazer…esperamos que vocês gostem e comentem. Não vou falar em onze faces, pois somos apenas coadjuvantes neste espaço…fico feliz com sete tópicos.

 

Um beijão à todas mamães e seus filhotes!

 

  1. SONO: Antes da paternidade facilmente dormia uma noite inteirinha, coisa de seis a oito horas, provavelmente sem me mexer a noite toda, ou seja, acordar durante a madrugada era algo muito raro, além de comprometer o andamento do dia seguinte, fora o cansaço que tomava conta, enfim… A partir do nascimento do Pedro Henrique muitas noites terminaram as duas da manhã, e o sono foi ficando rarefeito, ou então, acordar várias vezes durante uma mesma noite, deixando o sono picado, de no máximo, duas ou três horas…incrível como em determinado momento, não importava mais se eu havia dormido bem ou mal durante a noite, porque não influenciava mais no rendimento durante o dia…tudo normal.
  2. TEMPO: Antes eu não participava de duas gincanas por dia, uma ao meio-dia e outra no final da tarde. Ao meio dia gincana para fazer tudo isto em uma hora: almoçar, arrumar mochilas, verificar temas, fazer lanches, material para aulas extracurriculares, conferir o material e levar a turminha para a escola. No final do dia (novamente entre cinco e meia da tarde e sete da noite): pegar todo mundo na escola, esperar alguma aula extracurricular acabar (normalmente uma hora a mais além da escola), voltar para casa, jantar, tomar banho e partir para o turno da noite no trabalho…bom…este eu consegui mudar…não preciso mais sair à noite para trabalhar…mudanças profissionais e escolhas que devemos tomar…
  3. PRIORIDADES: A prioridade passou a ser a família, mudei duas vezes de emprego para poder passar mais tempo, e de maior qualidade com minha esposa e meus filhos. Antes, bom, antes estava preocupado com a carreira profissional…
  4. ALIMENTAÇÃO: Não comia saladas antes. Eu gosto de cozinhar, capricho no menu (só não curto lavar louça…), mas confesso que antes da paternidade meu conceito de salada era no máximo um tomate picado, ou uma alface com sal…e olhe lá. Agora, para ser um exemplo para os pequenos, além de aprender a comer saladas, aprendi a fazê-las de maneira a tornarem-se saborosas e temperadas… A regra de cinco cores no prato, no mínimo, está sendo bem empregada…
  5. TRABALHO: Trabalhava muito e sempre aceitava novos desafios. Trabalhava três turnos, seis ou sete dias por semana, uma correria insana. Hoje, escolhi dedicar o melhor do meu tempo para minha família, buscando qualidade de vida e dedicação àqueles que me amam incondicionalmente. Considero qualidade de vida poder fazer as refeições principais do dia com minha esposa e meus dois filhos na maioria dos dias da semana, leva-los e busca-los no colégio todos os dias (ou quase todos), ajuda-los com os temas e, até mesmo, poder dar aulas para meu filho…escolhi uma profissão que me permite dar aulas ao Pedro Henrique, com quem mais aprendo do que ensino…e logo, logo, a Isadora poderá ser minha aluna também…
  6. HUMOR: Antes, basicamente era um ermitão, mais ou menos o Urtigão, dos quadrinhos da Disney…ou para os mais novos, o senhor Frederiksen (do filme Up – Altas Aventuras . A partir da paternidade, acabei por aprender a ser mais sociável, mais tolerável e mais sensível também… se você não acredita, pense em alguns filmes que você assistiu antes de ser pai ou mãe, e qual foi seu comportamento ao ver os mesmos filmes depois da paternidade/maternidade (ainda não entendeu…assista, ou assista de novo, o Óleo de Lorenzo, A Escolha de Sofia, O menino do pijama listrado, A vida é bela…acho que agora talvez você tenha entendido o que eu quis dizer…)
  7. VALOR A VIDA: Com a paternidade aprendi a valorizar muito mais a vida e as pequenas coisas que ela proporciona que podem tornar seu dia mais especial, coisas que não custam dinheiro, mas são de valor imensurável, como um beijo de bom dia de uma carinha de sono remelenta, ou então, aquelas conversas que temos antes de colocar a turminha para dormir ou no banho, também aquelas risadas espontâneas durante as brincadeiras na pracinha nos finais de semana, ou ainda as apresentações no colégio em datas especiais do ano… tudo isso contribui muito para valorizar aquelas pequenas conquistas dos que carregam muito de nós no seu DNA…

 

Agradeço a Deus todos os dias por ter me dado o privilégio de ser pai, de saber o que é amar incondicionalmente, mas mais que isso, de saber o que é ser amado incondicionalmente por criaturinhas tão lindas, puras e sinceras.

 

Papais toda hora… algo mais a acrescentar?? Contribuam conosco…sintam-se à vontade.

 

Um abraço a todos!

Leandro Boeira é matemático e professor de robótica, com mestrado em Engenharia de Produção. Adora ensinar matemática de uma forma com que as pessoas entendam o porquê das coisas e enxerguem onde ela está presente. Também é pai do Pedro Henrique (7 anos) e da Isadora (quase 4 anos). “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” Pv. 22.6

 

Comentários (8)

  1. Priscila

    adore teu texto bem assim mesmo!!!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Que bom Pri que gostaste! Os papais são muito especiais! Bjs

      Reply
  2. DANIEL WESTERLUND

    Só para complementar, nosso lazer passou a ser um “remember” da nossa própria infância, andar de skate, brincar de pega-pega, imitar personagens, e por ai vai. Abraço aos papais.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Que bem bom isso né Dani?
      Bjsss

      Reply
  3. Suzi Boeira Salomon

    Eu só acrescentaria uma coisa mano, que vale tanto para os papais quanto para as mamães: como as atitudes de nosso pais ficam “explicadas” quando nos tornamos pais. Toda a nossa “visão de mundo” se altera e passamos a compreender melhor o ponto de vista deles. Beijão.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Nossa Suzi! Perfeita sua colocação!
      Hoje conseguimos entender perfeitamente o que nossos pais faziam e nos diziam!
      Obrigada pela contribuição.
      Beijos

      Reply
  4. Ailor Carlos Brandelli

    Tamanha sensibilidade e riqueza de detalhes só poderia vir “do cara da matemática”. Mais do que um relato, são conselhos, demonstração da proposta das mudanças na vida com a chegada dessa nova versão de “DNA”, que carrega um pouco de cada um.
    Quem deseja ser pai, certamente terá esse texto como referência e como um possível “fluxograma” das mudanças da vida.
    Obrigado por compartilhar sua experiência!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Que bem meu amigo….
      Obrigada pela colocação… tenho certeza que o Leandro Boeira ficará lisonjeado com seu comentário.
      De fato ele tem uma sensibilidade fantástica e exerce a paternidade de forma espetacular.
      Mais uma vez obrigada!
      Bjs

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>