Alterações na fala da criança: O que fazer e como lidar.

Olá Mamães Toda Horas, todas bem?

Aproveitando o feriado com seus pequenos?

Bom, o assunto de hoje aborda como podemos identificar se nosso(s) filho(s) estão apresentando alguma alteração na fala. Desta forma, a Fonoaudióloga, mãe e parceira do Blog, Érica Cimadon, escreveu a coluna de hoje para nos auxiliar no que podemos fazer e como podemos lidar com essa questão, bem como sabermos qual a hora de procurarmos a ajuda de um profissional especializado.

Confesso que, mesmo sabendo que isso não é saudável, comparo, muitas vezes o Léo com outras crianças da mesma faixa etária. Estava preocupada por ele não pronunciar palavras e estar sempre apontando para as coisas. De uma hora para outra ele começou a falar os nomes dos colegas e hoje fala (ou pelo menos tenta) praticamente tudo.

Ainda não forma frases, mas se comunica com todos a sua volta.

Escrevendo isso, me dou conta de como é importante respeitarmos o tempo de cada um! A ansiedade (nossa) por vezes no consome de tal forma que faz com que a gente perca evoluções significativas dos nossos filhos.

Boa leitura a todas!

Beijos e até sexta!

*********************************************************************************************************************************

Olá mamãe!! Sempre que estou em algum lugar e as pessoas descobrem que sou fonoaudióloga ouço muitas perguntas de mamães e papais do tipo “até que idade a criança deve estar falando tudo certinho?” ou “ Com que idade a criança já pode ir no fonoaudiólogo?” e por ai vai… então, de forma breve esse texto esclarece um pouco  como e o que podemos fazer para ajudar uma criança com alterações na fala.

Como a fala é produzida?

A fala é produzida pela corrente de ar vinda dos pulmões, que torna-se audível pela vibração das pregas vocais. Além disso, os órgãos da cavidade oral (língua, lábios, mandíbula, dentes, palato e véu palatino) em contato entre si, promovem os movimentos necessários para dar a característica de cada som da nossa língua.

Mas para que a produção da fala se dê de forma inteligível é necessário que o movimentos destes órgãos ocorram com precisão, velocidade, energia e coordenação adequada.  Além disso, consideramos como pré-requisito na produção da fala a integridade física, neurológica e psicológica da criança.

Quando ocorre uma inadequação nos fatores descritos a cima, teremos um distúrbio articulatório.

Crianças acometidas por este distúrbio não apresentam alterações ou lesões anatômicas evidentes, no entanto, realizam distorções, omissões e/ou substituições de letras na fala, causando desta forma, um discurso, muitas vezes, de difícil entendimento.

Vale lembrar, que devemos considerar o processo de desenvolvimento e aparição de cada som da nossa língua de acordo com a idade.

Quando procurar atendimento fonoaudiológico?

  • Quando o padrão  da fala não corresponde à sua idade;
  • Quando a fala da criança for ininteligível,
  • Quando a criança apresenta trocas que lhe causam incômodo ou vergonha para falar;
  • Quando a fala estiver alterada devido algum problema orgânico (“língua presa”, má oclusão dentária, etc.).

Como Lidar?

  • Não imitar o falar errado “errado” da criança, tampouco, pedir para repetir o que falou por achar engraçado ou bonito;
  • Quando a criança falar alguma palavra de forma incorreta, dar a ela o modelo correto sem repetir o erro;
  • Deixar que a criança  expresse oralmente o que deseja, não atendendo de imediato uma solicitação através de gestos (como apontar para o que quer);
  • Não usar palavras no diminutivo, pois, devido a suas semelhanças, sua memorização é dificultada.

Espero ter contribuído e auxiliado vocês Mamães Toda Hora.

Um grande beijo!

***************************************************************************************************************************************

1-1-foto-277x3001-208x300Érica Cimadon é fonoaudióloga, especialista em neuropsicologia pela UFRGS, com aperfeiçoamentos em processamento auditivo. Atua com atendimentos a crianças nas áreas de linguagem e aprendizagem há 7 anos na Clínica Jeito de Ser e mamãe do Mateus, de 1 ano. “Ter um filho é muito mais que uma especialização… nos permite nos colocar no lugar das famílias que buscam ajuda para seus pequenos, tendo um olhar profissional, mas acima de tudo, mais  humano…”

Comentários (2)

  1. Liliane Razador

    Karine, parabéns pela iniciativa do blog e por esse excelente tema abordado que é questão de muitas mamães! Fui sua aluna no 1º ano do ensino médio e hoje sou fonoaudióloga. Sempre admirei seu trabalho e hoje posso dizer que tenho muito orgulho de ter sido sua aluna! Muito sucesso pra vc como profissional e como mãe, vc merece! Parabéns para a colega Fga Érica por ter abordado tão bem a questão. Grande beijo.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Olá Lili querida! Que saudades!
      Fico muito feliz de ler seu comentário. Nessas horas que nos certificamos cada vez mais do que amamos fazer.
      Fiquei sem palavras, mas agradeço de coração… e agora vendo que já és uma profissional, percebo como o tempo passou… e passou rápido.
      Mil beijos e sucesso sempre!

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>