Aprendendo a ser pai

2 - leandro

Ser Pai

Olá Mamães Toda Hora, tudo bem com vocês?

Estamos aqui novamente contribuindo com um post no blog, só que desta vez é para assumir o papel de protagonistas, mesmo sendo apenas por um final de semana, pois chegou o dia dos Pais.

Hoje pensamos em relatar nossas percepções sobre a paternidade e o que sentimos após nos tornarmos pais. Esperamos que vocês gostem

Um beijão para vocês Mamães Toda Hora!

****************************************************************

O que é ser pai?

As minhas experiências são limitadas, pois fui abençoado com “apenas” dois filhos (meu sogro e minha sogra tiveram quatro filhos, então… imaginem a “bagunça”…) o Pedro Henrique e a Isadora.

A parte boa é que consegui aprender, e continuo aprendendo a cada dia, as muitas diferenças que existem na criação de um menino quando comparada com a criação de uma menina. Só posso garantir a vocês que diversão está garantida.

Assim, este relato está baseado nas minhas vivências, nas quais descobri que ser pai é:

  • Ficar acordado e ter que dormir por turnos nas madrugadas de invernos, com um nenê febril no colo, terrivelmente preocupado porque eles ainda não conseguem dizer o que estão sentindo.
  • Aprender a trocar fraldas, descobrir que existe um horário para dar frutinhas para comerem, aprender a pegar no colo, a fazer dormir (ou ser feito dormir na maioria das vezes), reconhecer que existem diferentes tipos de choros, com entonações diferentes (facilmente identificáveis a partir do segundo filho).
  • É não ter mais problemas com cheiros desagradáveis como cocô ou vômito (tá bom… ainda há um certo desconforto com isso…)
  • Ser acordado a qualquer hora da noite, da madrugada ou do começo da manhã por passinhos rápidos ou por gritos assustados graças a algum sonho, trovão ou raio…
  • Presenciar pequenas conquistas como andar de bicicleta (com e sem rodinhas), aprender a “escrever” a lista do supermercado, a perda dos dentes de leite, “leituras” de placas e outdoors, …
  • Ter uma gincana diária na hora de levar para escola e outra na hora de voltar da escola, ou então virando a babá da família (sim, cuidar da sobrinha também) nas férias de inverno, pois as escolas entram em recesso (em um abençoado e merecido descanso a seus professores), mas acontece quem não é “profe” não tem férias… logo, traz pro tio Leandro cuidar que é só alegria ( e é mesmo!!). A parte divertida é que se você tem que cuidar de dois ou mais do que dois, quase não faz diferença. Como disse um amigo meu: “cuidar de um é cuidar de um… cuidar de dois é cuidar de vinte…”
  • Poder brincar na pracinha fazendo bolos de areia, cantando parabéns e assoprando uma velinha feita de graveto.
  • Se emocionar nas apresentações teatrais e musicais da escola, enxugando lágrimas durante e ao final dos “espetáculos” proporcionados por eles.
  • Fazer os temas que são passados para a família com criatividade e “talento”, por mais complexos que sejam…
  • Saber que há uma diferença considerável entre plié, elevé, sauté e grand jetê ou entre ala, fixo, goleiro, pivô, finalizador ou armador.
  • Confundir os pequenos invertendo os movimentos de cabeça do sim e do não, falando sim e mexendo a cabeça como não, ou falando não e mexendo a cabeça como sim.
  • Cuidar um pouco nas brincadeiras que se faz (e acaba ensinando) para uma filha, afinal de contas, algumas coisas não ficam muito bem aos olhos dos outros quando meninas fazem (tipo puxa meu dedo aí… ou arrotar depois de tomar uns goles de refrigerante… ou pior ainda, ensinar detalhadamente o que é um espipeidoto…)
  • Sentir-se enroscado com os questionamentos dos infantes sobre a letra da música Ciranda da Bailarina (obrigado senhor Chico Buarque por tão sublime letra… principalmente na parte que fala em pentelho… e obrigado senhora Adriana Calcanhoto pela gravação desta música num cd infantil…) e tentar ser o menos específico possível ao respondê-los.
  • Aprender a fazer pão com auxílio dos pequenos quando a mamãe precisou ficar dois dias longe de casa, cuidando da vovó.
  • Ser solicitado, em todo banho, para “emprestar” a espuma de barbear para que papais Noéis temporários brinquem no box entregando “presentes” invisíveis e utilizem o chuveirinho como “máquina de barbear”…
  • Assistir a filmes como Cinderela, Encantada, a “saga” da Tinker Bell, Divertidamente, Up, Carros, Toy Story, Meu Malvado Favorito, Lórax ou Procurando Nemo, divertindo-se e/ou emocionando-se novamente, mesmo que seja a octagésima-primeira vez que você esteja assistindo.
  • Mostrar os desenhos “da minha época” como Pica-Pau, Tom e Jerry, Piu-Piu e Frajola ou Pantera Cor-de-Rosa e eles gostarem de assistir, assim como a gente fazia.
  • É ter que saber quem é a Elsa, a Ana, o Olaf, o Titio Avô, o Clarêncio, o Kick Buttowski, o Gumball, o Phineas, o Ferb e a Candace, a Angelina Ballerina e a Peppa.
  • É esperar pacientemente pelo final de semana para poder comer sobremesa e tomar refrigerante.
  • É tentar “cobrar imposto” em chocolates, doces, lasanhas, pizzas, bolachas e biscoitos, ou então,”tentar” ensinar que o papai deve ter direito a uma parte proporcionalmente maior para qualquer comida deliciosa, doce ou guloseima.
  • É brigar pelo controle da televisão, brigar para entrar no banho, brigar para sair do banho, brigar na hora de dormir, brigar na hora de acordar, brigar para entrar no carro, brigar para sair do carro, brigar e ficar de mal temporariamente depois de uma partida de futebol, uma corrida ou qualquer disputa no videogame quando alguém perde.
  • É ter que dançar Macarena, Asereje, The Final Countdown ou That´s What Makes You Beautiful com um controle de Wii amarrado na mão, na frente da TV.
  • É cantar Let It Go em dois ou até três idiomas diferentes (obrigado tecla SAP e Youtube).
  • É tentar brincar de esconder e descobrir que você não consegue mais subir em árvores ou escalar muros como um dia já fizera.
  • .. já falei em brigar pelo controle da televisão?
  • É perder totalmente a privacidade do banheiro (seja para o número 1, número 2 ou para um simples banho), é perder o espaço no sofá,
  • É ser super-herói, papai Noel, coelho (ou cachorro) da páscoa, lindo, feio, brabo, bonzinho, chato, legal, parceiro, “inimigo”, conselheiro, irmão, ídolo, ranzinza, ou qualquer outro Smurf

Descobri também que em determinado momento da vida, precisei ajustar a minha agenda profissional, dando prioridade ao tempo disponível para os filhos, bem como a qualidade deste tempo para conseguir acompanhar o crescimento deles.

Mas o mais importante de tudo isso é que ser pai me proporcionou ser FELIZ!

 

Um beijão para cada uma de vocês Mamães Toda Hora e compartilhem conosco suas experiências paternas.

*********************************************************************************************************************

2 - leandro

Leandro Boeira é matemático e professor de robótica, com mestrado em Engenharia de Produção. Adora ensinar matemática de uma forma com que as pessoas entendam o porquê das coisas e enxerguem onde ela está presente. Também é pai do Pedro Henrique (7 anos) e da Isadora (4 anos). “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” Pv. 22.6

 

 

Comentários (4)

  1. Judite dos Santos

    Lindo…. Lindo…. Faz parecer que ser pai é fácil!!! Que qualquer um tira de letra!!! Mas…. a grande lição embutida é “NÃO POSTERGAR”… O objetivo do blog já clarifica: Mamães Toda Hora/ Papais Toda Hora! Porque com a criação dos filhos tudo acontece num piscar de olhos. Cochilou… perdeu. Cochilou… foi ao ar. Cochilou… foi ao vento. Cochilou… cresceu. Cochilou… o ninho está vazio. Há glória e prazer nas horas mal dormidas e nas expectativas porque “depois é nunca mais”…. E O PRESENTE é que é O PRESENTE !!!… Bjo grande aos Papais Toda Hora!!!…

    Reply
    1. Karine Callegari

      Perfeito, isso mesmo.
      Obrigada pela contribuição.
      Bjs

      Reply
  2. Prisca

    Parabéns pelo texto! Como é difícil listar tudo o que fazemos pra esses pequenos!
    Tu é um baita Pai, a grande maioria nem sabe disso tudo!

    Reply
    1. Karine Callegari

      Nessas horas é que nos damos conta da quantidade de coisas que fazemos e tudo que mudou nossa vida para melhor!
      Beijos e obrigada pela contribuição.

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>