Você sabe brincar com seu filho?

20150720_091649

 

Olá mamães toda hora, todas bem?

A matéria de hoje consiste em um questionamento que sempre faço a mim mesma: Será que sei brincar com meu filho?

Esta tarefa aqui em casa, normalmente é do pai. Aproveito esse momento em que eles se divertem juntos par ajeitar as coisas da casa. Como já falei em outras colunas, me culpo muito por isso e tento melhorar a cada dia. Porém, toda vez que estou sozinha com o Léo, percebo que preciso me dedicar muito mais para brincarmos. O que parece fácil observando o pai e ele, para mim me parece muito difícil. Para isso, preciso me permitir, me entregar, aproveitar e aprender junto com ele. Um exercício diário que envolve muito amor e dedicação e, com certeza de extrema importância para a evolução do Léo.

Confiram a coluna da nossa parceira, mãe e psicóloga Mônica Vagliati, pois hoje é terça-feira, dia de especialista!

Boa leitura e um beijo grande.

************************************************************************************************************************************

Jogar bola, sentar no chão para montar quebra-cabeças, pintar. Quando ficamos adultos, parece mesmo que brincar nos requer certas habilidades especiais, e alguns pais pensam que não sabem brincar com os filhos. Quem só teve irmãs, por exemplo, acha que vai ser difícil brincar com coisas de menino – e o inverso também acontece. Você não precisa fazer um curso para aprender tudo como fazer. Seu filho vai te convidar para brincar, para sentar junto com ele e dividir aquele momento. Naturalmente, você vai se entregar à brincadeira e, juntos, vão aprender a brincar.
A intimidade e a amizade são construídas aos poucos, com as próprias brincadeiras. Enquanto brincam, as crianças expressam suas emoções, desenvolvem suas habilidades motoras, criam coisas novas. Estar ao lado dela brincando significa fazer parte desse processo de aprendizado. Vocês podem começar com um passeio ao parque. Lá você pode jogar um lençol na grama e fazer um piquenique, depois jogar bola, ler um livro.

Em casa, veja o que seu filho gosta de fazer. Se ele for ligado em tecnologias, pode ajudá-la a jogar videogame ou a mexer no computador. Você pode mostrar a ele coisas que você adora fazer. Cozinhar, por exemplo, é uma forma de brincar também, afinal, na hora do preparo, qual a diferença entre fazer uma bolacha com massinha e uma com ingredientes de verdade? Na cozinha, seu filho conhece novas texturas, aromas e sabores.
Tem ainda aquelas brincadeiras que todo mundo – inclusive você – já brincou, como pega-pega e esconde-esconde. Mas brincar não é só isso. É também fazer um desenho, colorir, inventar histórias com bichos de pelúcia.

DICAS:

-Durante a brincadeira, não se coloque no papel de uma criança. Você está ali como pai ou mãe, e é assim que vai se divertir com ele – e seu filho vai adorar!

  • Registre esses momentos, as risadas, os desafios de cada jogo. Assim, você não vai só brincar, mas construir memórias também.
  • NÃO deixe ele ganhar só porque é seu filho pois ele precisa perder também e lidar com esta frustração.
  • E o mais importante: criar vínculos com seu filho que vão fazer diferença durante toda a vida dele.

************************************************************************************************************************************

monicaMônica Vagliati é Psicóloga Clínica especialista em Psicoterapia Cognitivo Comportamental de crianças, adolescentes e adultos. Atua há 10 anos em consultório clínico na Clínica Espaço Equiliibrium. Instagram: PSIMONIVAGLIATI – Facebook: Psicologa Monica Vagliati

Comentários (3)

  1. Rosângela Ceccon

    Olá Karine, eu sou mãe de menina e igualmente como você também me sinto culpada as vezes por não ter um tempo maior e poder me dedicar as brincadeiras com ela. Lá em casa a diversão geralmente é por conta do papai e realmente ele sabe divertir e se divertir com ela, já apelidei ele de Jack Forst, como no filme, onde o seu cerne é a diversão.
    E como você também falou, a questão de se permitir a estes momentos e por vezes e deixar tarefas por fazer e cair na diversão com eles.

    Abraços.

    Reply
  2. Andréa

    É bom ler estas matérias, pois elas fazem eu me sentir normal… além das dicas que sempre ajudam também.
    Eu sinto que falta criatividade às vezes.

    Chega o final do dia eu já não sei mais do que brincar com ela, por isso sempre procuro entrar em sites como da fisher-price que dão sugestões de brincadeiras por idade.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Olá Andrea… é bem assim mesmo… às vezes acredito que eu precise fazer um curso de criatividade, pq me vejo pequena.
      Um beijo grande e obrigada pela contribuição.

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>