As Três Primeiras Fases da Maternidade!

DSC00458

Olá Mamães Toda Hora, todas bem?

Desde sábado passado, depois do I Workshop para Gestantes do Blog Mamãe Toda Hora, andei pensando na minha trajetória materna até aqui.

Relembrei de cada detalhe e percebi que, como tudo na vida, passamos por fases e elas deixam um gostinho de quero mais. Muitas vezes a gente torce para que ela passe logo, mas depois, pelo que percebi até agora, sentimos uma pontinha de saudades da fase que se foi.

Sim, cada fase é gostosa e cada fase tem suas dores!

Para isso, vou contar um pouco da minha história.

Hoje falarei das três primeiras fases para que o texto não fique longo e cansativo! Mas prometo dar sequência logo logo!

PRIMEIRA FASE – “TENTAR” ENGRAVIDAR!

Sempre sonhei em ser mãe! E, nunca imaginei que pudesse ter alguma dificuldade para isso. Mas isso aconteceu! Não conseguia engravidar! O tempo passava, e as tentativas frustradas! Decidimos investigar mais a fundo essa questão e marcamos uma consulta na Clínica Embrios – Centro de Reprodução Humana aqui de Bento Gonçalves! Mesmo percebendo que algo estava errado, eu custava acreditar que pudesse haver algum problema comigo (pode parecer egoísmo meu, e acredito que seja!). Depois de vários exames, foi constatado que o problema era comigo e não com o meu marido. É duro escutar isso… Não sei qual a sensação de ter uma faca sendo cravada no peito… mas acredito que tenha sido mais ou menos essa sensação! Aquele nó na garganta, aquela vontade imensa de chorar e tendo em mente um único pensamento – QUERO SER MÃE! Ali, naquela hora, sem conversar com meu marido (que estava junto) falei mais que rapidamente que não queria esperar, que faria o que fosse preciso e decidi (praticamente) sozinha que faria a fertilização (uma das opções dada pela médica). Só que naquela hora, lembrei que minha menstruação estava atrasada e falei para ela… Isso foi numa quarta-feira! E perguntei se havia alguma possibilidade de eu ter engravidado nesse período de investigação… Não vou me esquecer da cara da médica (Dra Angela) dizendo: “Claro que pode! Tudo é possível! Se até sexta você não menstruar, faça o exame!” E me entregou a requisição.

SEGUNDA FASE – ESTOU GRÁVIDA!

Na sexta-feira, acordei (praticamente não dormi) às 5h para fazer o exame de farmácia – Resultado: POSITIVO! Gritei feito uma louca e meu marido pediu para eu me conter (ele sempre faz isso!) e disse para ir ao laboratório. Fiquei enlouquecida! 6h30 estava no laboratório. Queria sair gritando na rua. O resultado ficava pronto só ao meio dia! Jesus que angústia! Fui almoçar com minha amiga e xará Karine Pértile! Saímos correndo e ela estava comigo nessa hora! Peguei o resultado, abri e dizia apenas POSITIVO. Hã? Como assim? Não diz mais nada? E minha amiga olhou pra mim e disse: Ká, você está grávida! Precisa de mais alguma coisa no exame? (acho que foi mais ou menos assim!) Pra mim precisava de todos aqueles números, para saber de quantas semanas eu estava grávida. A partir desse momento me sentia flutuando… chorava e ria sozinha… Não me importei nem um pouco em divulgar a minha gravidez. Muitos me diziam que até os três meses deveria ficar quieta pois podia perder o bebê… Não quis nem saber! Eu estava grávida! Eu ia ser mãe! Se algo acontecesse, eu havia estado grávida sim! Contar para meus pais, meus sogros, meus familiares e amigas, foi sensacional! Era uma felicidade sem fim!

TERCEIRA FASE – GESTAÇÃO!

A primeira consulta fatídica (né Ká Pertile?) onde o médico fez um ultrassom e disse que não via nada e que ele era que nem São Tomé, que só acreditava vendo. Fiquei com medo… mas fui fazer os exames e quando ficaram prontos… abri ansiosamente e lá constatava que de fato estava grávida. Nossa, lembro de cada consulta realizada, do meu marido me acompanhar sempre! Lembro de cada sensação, de cada ecografia… da primeira vez que escutei o coração do Léo batendo de forma rápida (foi um dos melhores sons que já escutei), de cada medo! Sim, os medos rondam muito nossos pensamentos! Medo que algo possa dar errado! Lembro da ansiedade em ver a barriga crescendo, de ficar tentando identificar se ele já estava se mexendo… Lembro e sinto saudades, daquele barrigão, de ficar passando mil vezes a mão na barriga… de conversar com ela, de cantar para o Léo, de rezar para que tudo desse certo… No final não aguentava mais, não conseguia mais dormir, tinha dificuldade para respirar… estava muito inchada, um desconforto total… E decidi que havia chegado a hora! Eu precisava ter ele em meus braços… queria saber qual era a sensação. Lembro ter dito para o meu obstetra Haley Calcagnotto: “Cansei de brincar de ser grávida, agora quero brincar de ser mãe!” E lá fomos nós para a maternidade!

E para vocês Mamães Toda Hora, como passaram essas primeiras fases? Dividam conosco!

Beijos e bom final de semana!

Comentários (4)

  1. Karine Pértile

    Minha amiga querida! Chorei quando soubemos do resultado, lembra? Chorei de emoção por te ver tão feliz e emocionada! O Leo não poderia ter escolhido família melhor para nascer!
    Tenho muito orgulho da mãezona em que tu te transformaste, e não imagino alguém melhor para escrever sobre ser mãe toda hora.
    Amo vocês! Ameeei estar no teu blog!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Simplesmente TE AMO!

      Reply
  2. cristiane

    Oi a minha primeira fase quase nem percebi, parei de tomar os comprimidos num mês e no outro estava grávida. Eu achava que ia demorar de um a dois anos para engravidar por que tomava pílula há muito tempo.Também não guardei segredo de jeito nenhum, gritei aos quatro cantos do planeta que estava grávida!!!Até os cinco meses eu quase nem tinha barriga, mas depois…que barrigão! curti muito quando estava grávida, e achei que passou rápido demais! O último mês eu estava bastante cansada e ansiosa para conhecer minha pequena!
    Então marquei a cesárea para 39 semanas de gestação!! Fiz cesárea eletiva e não me arrependo(aliás gostaria que se possível você fizesse um post sobre qual tipo de parto as mamães fizeram ..)
    Só posso dizer que a gestação é a fase mais intensa, emocional e fisicamente falando, na vida de uma mulher!!!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      oi Cris, que história linda…
      No final não aguentamos mais né… a ansiedade em querer ter eles em nossos braços é maior que tudo.
      Obrigada pela sugestão… Já estou em busca de profissionais e material para escrever sobre isso.
      Mil beijos e obrigada pela contribuição

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>