Como mãe, o que quero para 2016?

LEO-23

 

Olá Mamães Toda Hora, todas bem?

Estamos em dezembro e logo mais inicia um ano novinho em folha.

Eu e minhas amigas sempre traçamos metas no início de cada ano e no final contabilizamos para ver quem conseguiu atingir o maior número.

Pois bem, uma das minha metas era ter mais tempo para o Léo. Curtir cada momento com ele da melhor maneira possível. Como já relatei em outros posts, sempre trabalhei com jornadas extensas de trabalho, mas este ano as coisas mudaram… e mudaram para melhor.

Sim, ainda continuo tendo jornadas extensas de trabalho, porém, consegui organizar meu horário de tal forma que eu pudesse ter mais tempo estabelecendo turnos para ficar com o Léo e apenas com ele. Aproveito cada minuto.

Mas esta semana, me deparei com uma situação que me fez pensar muito como seria minha vida se eu tivesse um trabalho sistemático, com horários rígidos a cumprir.

Se tem uma coisa que até então eu não havia feito, era acordar o Léo. Sempre acreditei que ele deveria despertar de manhã quando quisesse. Porém, ultimamente ele tem acordado cada vez mais tarde (ISSO NÃO É UMA RECLAMAÇÃO!). E nesta última quarta-feira, `meu primeiro atendimento no consultório era às 9h! (Sim, só começo a trabalhar esse horário! Um dos luxos que me dei depois da maternidade). Às 8h30 fiz tentativas frustradas…e quando vi, já eram 8h50! Já estava atrasada e o Léo dormindo ainda. Me desesperei e comecei a trocá-lo mesmo estando dormindo.

Querido! Me senti a pior mãe do mundo!

Mas não tinha mais o que fazer, meu paciente já estava me esperando e ele não tinha culpa de nada disso!

Deixei o Léo correndo na escola, sem conseguir ficar alguns minutos com ele. Ele ficou chorando e me chamando. Sim, meu coração ficou em pedaços. Passei o dia com um aperto no peito, querendo explicar para ele o que havia acontecido. Só pensava na hora de buscá-lo.

Minha admiração pelas mães já é gigantesca, mas nesse dia admirei ainda mais as mães que precisam estar nos seus trabalhos às 7h. Jesus! Como fazem?

Sei que é uma questão de rotina, mas deve ser sofrido demais. Me corrijam as Mamães que conseguem ter essa jornada se eu estiver maluca!

E, neste mesmo dia, li uma coluna (que não me lembro de quem é) que falava justamente das mulheres (mães) que são do lar! Que normalmente são vistas como aquelas que “não trabalham”!

Quem é mãe, trabalhando fora ou não, sabe que temos que dar conta de mil coisas ao mesmo tempo! Não só pensamos, como executamos tarefas que fazem as coisas funcionarem. Tudo isso cansa, mas ao mesmo tempo dá uma gratificação imensa. Mesmo estando de férias do trabalho, não estamos de férias da função de mãe. Por isso muitas vezes estamos cansadas, exaustas e sem paciência.

Custa entender?

Muitas pessoas não entendem quando não aceitamos um convite, quando preferimos ficar em casa para ter um tempo maior no banho, para conseguir comer com calma, para dar conta de tudo que precisa em casa, ou até mesmo, para ficar sozinha, sem ninguém, “escutando” o silêncio.

Não é fácil e ninguém diz que é! Mas como toda escolha que fazemos existe uma evolução, um amadurecimento significativo. Damos mais valor para as coisas e para nós!

Volta então, a minha admiração pelas mães que não têm o mesmo privilégio que o meu!

Eu consigo organizar meu dia para ficar com o Léo, muitas vezes não tenho horário rígido e consigo flexibilizar para atender às necessidades dele, ou até mesmo de tirar mais um tempo para me divertir com ele e chamegar muito.

Inclusive, cada vez mais leio, ouço e vejo mulheres, que depois da maternidade, optaram por uma vida diferenciada e tornaram esse momento, um momento empreendedor mudando radicalmente seu estilo de vida profissional.

Talvez estejamos voltando no tempo e dando prioridade ao afeto, a qualidade do tempo para com nossos filhos! E, talvez, quem sabe, garantindo um futuro melhor para eles, tornando-os mais humanos, sensíveis, e preocupados com o bem-estar dos outros.

Sei lá! Pode ser até uma divagação muito louca e até pouco interessante, mas Mãe é Mãe 24h por dia, trabalhando fora ou não! E, com certeza, todas nós temos um amor incondicional por nossos pequenos e queremos sempre o melhor para eles.

Portanto, para 2016 o que quero é poder viver bem, tranquila, serena e continuar tendo uma grande capacidade de entrega para meu filho, para minha família! Nunca saberemos o dia de amanhã e, de nada adianta ficarmos preocupadas em TER, em DAR as melhores coisas se ESQUECERMOS de aproveitar o tempo (que passa tão rápido) com amor, dedicação, confiança respeito e solidariedade.

E vocês Mamães Toda Hora, o que querem para 2016?

 

Comentários (2)

  1. Josi Mattos

    Olá Karine
    Esse anos me deparei com uma situação que num pensei em ter essa escolha, aos 5 meses Matheus começou na escolinha realmente dificil de sair de casa sempre levava ele durmindo. Um dia meu filho quis comer sozinho e percebi que não acompanhei esse momento. Ai vieram as cirurgias que decidi sair do meu trabalho e me dedicar somente ao Matheus,consegui acompanhar o ” falar ” do Matheus e ajudá-lo, ver os primeiros passos e a cada dia percebo que isso vale a pena, seja de qualquer forma com tempo ou não. O que eu quero para 2016 saúde para Matheus e todas as crianças tendo isso as coisas boas acontecem.
    Karine Feliz Natal e um próspero Ano Novo para família especialmente para o Léo.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Nossos filhos são nossa prioridade, né? Q bom q o Matheus está bem e que bom que vc se permitiu ficar com ele. Saúde sempre em primeiro lugar. Boas Festas meu anjo e obrigada pela contribuição. bjssss

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>