Até que ponto a forma que escolhemos para educar está certa?

IMG_1554

 

Olá Mamães Toda Hora, todas bem?

No início desta desta semana, tivemos uma palestra com uma colega Psicóloga falando que devemos dar limites com amor e, posteriormente, a entrega de boletins do Léo.

Não estou aqui criticando e nem querendo dizer o que é certo ou errado. Como psicóloga, conheço várias teorias e sei das diferenças existentes entre elas. Estou aqui falando como mãe! Simplesmente MÃE! E dividindo com vocês as reflexões e constatações que fiz.

Apenas quero provocar a reflexão em outras pessoas e poder compartilhar isso!

Sim, meu filho está numa fase “birrenta”, onde ele é que “tenta” determinar o que fazer, o que vestir, o que comer, quando fazer essas coisas e assim por diante. Mas como sempre estimulei a autonomia dele, e como acredito na metodologia Montessoriana, não entendo o fato dele querer escolher a roupa (por exemplo) como algo ruim, como ele querer me testar, como se ele estivesse numa competição comigo para querer medir forças. Entendo, nesta situação, que estou dando AUTONOMIA para ele se tornar o mais independente possível. Quero um filho autônomo, seguro e decidido. E se por ventura, ele estiver com pouca roupa e estiver frio, ele também vai confirmar o amor que tenho por ele quando eu tiver dito: “eu avisei que estava frio e que precisava do casaco! Coloca aqui que a mamãe trouxe para você”. Numa segunda vez, se a cena se repetir, estarei explicando e contextualizando para ele a situação e estarei educando baseada naquilo que considero mais “correto” para meu filho.

Para mim, educar com amor, não se faz necessário acordar mais cedo para dialogar com meu filho e ganhar tempo para conseguir algo ou impor autoridade. Autoridade é algo que ganhamos em várias situações do dia-a-dia. Meu filho me testa muitas vezes, como acredito que a maioria dos filhos de vocês também testam. Meu filho me tira do sério várias vezes, e acredito que muitas de vocês, assim como eu, perdem a paciência. Meu filho, assim como o de vocês chora, teima e faz escândalos. Mas para mim, educar com amor é mostrar que sou NORMAL, que tenho fraquezas, limitações, pontos fortes, alegrias… Educar com amor, é me abaixar e conversar com ele olhando nos olhos explicando o que penso. É chorar com ele quando necessário, é abraçá-lo quando estiver com medo e dizer que está tudo certo e que vai passar. É dar nome aquilo que ele está sentindo e mostrar que é normal e que todo mundo sente. Educar com amor é ter pulso firme e mostrar que existem regras e que elas precisam ser cumpridas. É ser a mãe boa, que dá continência/acolhe e, ser a mãe má, que dá limites e impõe regras e as faz serem cumpridas. Educar com amor é ensinar ele a ter respeito pelos outros, ser solidário e caridoso.

Criar é fácil, educar é difícil!

Confesso que muitas vezes me perco, erro, tento e peço desculpas. Nossos filhos aprendem pelo exemplo e o exemplo que quero dar aos meus é que a vida é feita de situações boas e ruins! Que erramos, nos frustramos e que temos que ser humildes para admitirmos isso. Digo todos os dias que amo muito ele e é gratificante ver ele respondendo: “eu também te amo mamãe!” E, mais gratificante ainda, é vê-lo falar isso, de forma espontânea, para mim, para o pai, para os avós, professora…!

Ainda nesta semana, recebi uma mensagem de uma mãe de uma coleguinha do Léo, dizendo assim:

“Oi Karine! Só queria te falar que o Léo deve ser muito especial de verdade para a “Maria”! E é sinal que ele é muito amado mesmo. Porque ela fala dele com muito carinho. E eu questionei porque o Léo é o preferido dela. Ela falou que ele não bate, não briga, ajuda ela a levar o colchão. E ela falou tudo para a minha mãe também. Achei muito fofo e queria compartilhar. Porque a “Maria” é muito observadora e super atenta as atitudes legais”.

Nem preciso dizer que fiquei orgulhosa e emocionada com a mensagem recebida.Fiquei extremamente feliz e respondi que gostaria que ele continuasse agindo assim, principalmente com as mulheres. Juro que vou me esforçar para isso! Pois um homem de verdade, terá atitudes de verdade de acordo com o exemplo de mãe que tiverem. Somos nós, seu primeiro modelo de mulher, que facilitaremos essa jornada. É a forma como tratamos eles e ensinamos que vão garantir um homem maravilhoso no futuro. Não podemos estragá-los fazendo tudo por eles… Educar com amor é mostrar que eles podem e devem nos ajudar, nos dar carinho, atenção, nos respeitar…

E para finalizar, queria dividir com vocês como foi receber o boletim do Léo. Num primeiro momento pensei: “boletim para uma criança de 2 anos e 8 meses?” Mas quando recebi, vi que haviam vários indicadores assinalados, mas ao correr os meus olhos por eles, fui direto ao comportamento. Qual o motivo que me levou a isso? Além da minha formação ter um peso gigantesco, acredito que somos educados desde pequenos para desenvolvermos a inteligência intelectual. Temos que aprender a pintar, desenhar, cortar, montar… Mas ninguém nos ensina a lidarmos com nossa inteligência emocional. Não que tenha desconsiderados os demais indicadores, até olhei! Alguns concordei outros nem tanto. Mas fiquei surpresa em saber que aquilo que tentamos ensinar em casa está refletindo na escola. Ali está o maior resultado do amor que temos e do tempo que dedicamos aos nossos filhos. Isso é educar com amor!

Acredito que dar limites com amor esteja em todas as situações do nosso cotidiano. Sempre que fizermos as coisas com amor, dificilmente erramos! É nisso que acredito! Não existe uma forma correta de educarmos, não existe uma teoria que contemple fórmulas mágicas! Existem seres humanos educando seres humanos.

Um beijo enorme e bom final de semana!

 

Comentários (4)

  1. Tamires

    Oi Prof. Karine
    Também acredito que não exista uma fórmula mágica, não podemos estragá-los, fazendo tudo por eles, mas precisamos educá-los com amor, mostrando que para tudo há limites, ensinando regras e, sobretudo, deixando claro para eles que estaremos sempre dispostas a ajudá-los.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Isso mesmo meu anjo!
      Obrigada pela contribuição…
      Mil bjs

      Reply
  2. Sheila

    Oi Kari …
    Pois então….de momento, qdo os fatos acontecem, não sabemos se o que estamos fazendo é correto, mas depois vem o retorno, como aconteceu com o Leo. Só assim é que percebemos se nosso jeito de ensinar..nosso exemplo está correto!
    Eu estou muito orgulhosa do Luís, pois está muito prestativo e querido….
    Bjos pra vcs!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Oi amada!
      estava sentindo sua falta!
      Como eles evoluem e como a gente baba em cada evolução…
      Também estou muito orgulhosa do Leo… Pouco bom…
      Bjs

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>