Pré Natal Odontológico

Saude-Bucal-da-Gestante-17

 

Olá Mamães Toda Hora, todas bem?

Semana passada visitei o dentista. Confesso que demorei nesta gestação devido aos enjoos e vômitos seguidos. Esperei controlar isso para conseguir permanecer na consulta.

Na gravidez do Léo, fui mais negligente com minha saúde bucal por mitos que acabava escutando e, também por preguiça mesmo. Mas depois que descobri tudo o que pode acontecer com uma má saúde bucal, não quis arriscar e me preveni nesta gravidez.

Por isso, convidei a odontopediatra do Léo, que além de uma excelente profissional, também é mãe, para falar para nós sobre o Pré Natal Odontológico, assunto este pouco falado.

Boa leitura!

Um beijo a todas!

*****************************************************************************************************************************************

A gravidez é uma fase de mudanças fisiológicas complexas na saúde da mulher, inclusive na sua saúde bucal. Nessa fase a futura mamãe deverá tomar cuidado redobrado com a higiene dos dentes e também deverá estar atenta a um fato muito importante: os dentinhos do seu bebê já estão se formando.

Várias pesquisas comprovam que a infecção gengival da mãe está associada a partos prematuros e ao baixo peso dos recém-nascidos. Isso ocorre porque as bactérias presentes em infecções gengivais severas migram para o líquido amniótico, aumentando o risco de prematuridade e também de pré-eclâmpsia, que é a forma mais perigosa de hipertensão durante a gestação.

As mães também ficam mais suscetíveis a problemas bucais. Entendamos o porque:

A gestante pode ir ao dentista?

Sim. Ao contrário do que se pensa, durante a gravidez deve-se visitar o dentista com mais frequência. Como o risco de cáries e inflamação gengival estarão aumentados, o dentista ajudará na prevenção destes problemas, permitindo que a gestante receba seu bebê com a saúde bucal em ordem (o que se refletirá na criança). O atendimento nessa fase envolve desde procedimentos como profilaxia, aplicação de flúor (de acordo com as necessidades da futura mamãe) e remoção de irritações locais que possam estar agredindo a gengiva, até o aconselhamento preventivo para a saúde bucal da mãe e do bebê.

O odontopediatra poderá orientar, já na gestação, quanto aos primeiros cuidados a serem tomados com a boquinha do bebê, mesmo antes da chegada dos primeiros dentes de leite, essenciais para o desenvolvimento de uma boa dentição. Se for necessário outro tratamento, será feita uma avaliação juntamente com o ginecologista.

A gestante tem mais cáries?

O que ocorre é um aumento do risco de desenvolver cáries. As mudanças na dieta (introdução de mais carboidratos e/ou maior frequência alimentar), as mudanças na higiene oral (desatenção e/ou dificuldades na escovação devido a ânsias de vômito) e ainda a maior ocorrência de vômitos podem desequilibrar o meio bucal. Esse desequilíbrio, se não for acompanhado de cuidados especiais, pode, sim, causar uma descalcificação da estrutura dental, que leva à cárie, e explica a “perda de cálcio” conhecida popularmente. Porém, é errado pensar que essa perda de cálcio tenha relação com a formação dos dentinhos do bebê. Há um aumento do risco de cárie, porém sua causa direta é a placa bacteriana e não a gravidez. Se houver um controle efetivo dessa película de bactérias que grudam nos dentes, não haverá cáries.

A gestante tem gengivite (inflamação na gengiva)?

Novamente a causa é a placa bacteriana. Ocorre uma predisposição na gestante para desenvolver gengivite devido às alterações hormonais, que levam o seu organismo a responder de forma exagerada à presença desses microorganismos. Nos dois casos vimos que o agente causador é o mesmo: a placa bacteriana. Portanto, é necessário um controle adequado. Os cuidados são os mesmos de uma mulher não grávida: limpeza diária dos dentes com escova e fio/fita dental, sendo a qualidade desta limpeza mais importante do que a frequência.

Lembre-se, os dentinhos de leite do seu bebê já estarão se formando a partir da sexta semana de gestação e os dentes permanentes entre o quarto e o sexto mês de vida intra-uterina. Assim, algumas atitudes simples poderão ajudar na sua formação:

  • ter alimentação balanceada (carnes, frutas, legumes, verduras, cereais, leite e derivados). As avitaminoses podem comprometer o desenvolvimento normal dos dentes,
  • evitar álcool e drogas,
  • evitar a formação de maus hábitos alimentares, pois a partir do quarto mês de gestação o bebê já está formando seu paladar e perceberá a frequência com que sua mãe come certos alimentos. A criança pode aprender a gostar de açúcar antes mesmo do seu nascimento.
  • Preparar-se para amamentar. A amamentação natural durante o primeiro ano de vida é fundamental não só pelo aspecto afetivo e nutricional, como pelo exercício muscular que favorece a respiração nasal e previne muitos dos problemas de oclusão (mordida).

Um abraço a todas!

*****************************************************************************************************************************************

13349009_1170467229632683_557517414_n

CARLA ROSANA MERIGO, mãe do Lucca de 4 anos.Cirurgiã-dentista, graduada em 1999, pós- graduada em odontopediatria em dezembro de 2002 pela Universidade Luterana do Brasil. Atende na Clínica Jeito de Ser!

 

 

 

 

*** Imagem:  https://www.google.com.br/search?q=PR%C3%89+NATAL+ODONTOL%C3%93GICO&client=firefox-b&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwid0u7vtpbNAhUF4yYKHYPlAxMQsAQIIQ&biw=1366&bih=633#imgrc=fXTcRgEkyEFpVM%3A

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>