Terror Noturno, será?

18119559_1303644499684416_9103322364479934718_n

 

Olá Mamães Toda Hora!

Como devemos proceder quando nosso filho começa, do nada, a chorar incessantemente na madrugada, sem acordar, se debatendo e não apresentando melhora com nenhuma ação sua?

Pois é, não é a primeira situação igual a essa que ocorre aqui em casa, e nem somente com o Pedro. O Léo também já teve, porém não me recordo com que idade.

Lembro que com o Léo (acho que era maior que o Pedro) tentava de tudo, até que a Pediatra me orientou a não fazer nada pois ele não teria recordações disso. Além disso, ela disse que isso poderia estar associado com a agitação do dia e, que eu deveria procurar proporcionar um dia mais tranquilo.

Naquela época, me sentia impotente (como hoje me sinto), destruída física e emocionalmente. Mas mãe tenta de tudo! Acho que se disserem para mim que na China tem algo que alivie o sofrimento dos meus filhos, farei o impossível para ir lá buscar uma solução.

Só quem passa situações como essa, sabe o quão doloroso é.

Com o Léo, o que parece ter solucionado na época suas “crises” na madrugada foi a ida ao Centro Espírita! Acreditem ou não, mas depois de ter procurado essa ajuda ele NUNCA mais apresentou episódios do tal “terror noturno”.

Tudo que leio a respeito, afirma que o melhor é deixar seu filho ter a “crise”, pois pegá-lo, tentar acalmá-lo, tentar acordá-lo é pior e provavelmente faça com que dure mais tempo. Os episódios, duram cerca de 10-15 minutos, podendo ser menos ou até mais. Não se sabe ao certo as causas do Terror Noturno, e também como veio, vai!

Ontem, o Pedro (com 8 meses) pareceu ter isso, porém o que leio diz que isso começa por volta dos 9 meses.

Daí pergunto, como uma mãe em sã consciência, consegue ver seu filho passando por isso e não pegá-lo e tentar acalmá-lo? A angústia materna se instala e instintivamente agimos para tentar protegê-los e aliviar o sofrimento (mesmo as pesquisas dizendo que ele não terá traumas e nem lembranças disso, mas nós mães teremos!)

Nossa! O nome já é assustador, a situação também. O choro parece de dor, sofrimento. E minha primeira reação foi pegá-lo no colo, colocar no peito para mamar, levantar e embalar, caminhar pela casa, e tentar acordá-lo. Todas as tentativas foram em vão!

Meu marido veio me ajudar e achou que fosse a roupa apertada ou calor, abriu imediatamente o tip top, fiz uma mamadeira para ver se era fome, mas nada adiantou. Não aguentando ver aquilo (já haviam se passado 10 minutos intermináveis), dei um paracetamol (com muito esforço, pois ele se debatia e se contorcia) para ver se ele se acalmava caso fosse dor de alguma coisa, mas a cena continuava. Depois de mais 5 minutos ele se acalmou, deixei ele dormindo no meu colo para ter a certeza que estava bem. Coloquei-o na cama e não deu 5 minutos e o terror começou novamente.

Mais 10 minutos de desespero total. E eu retornei a fazer tudo igual a antes (menos o paracetamol, é claro!). Se acalmou novamente e voltei a colocá-lo na cama.

Juro! Comecei a rezar para que aquilo acabasse logo. Para a minha surpresa depois de meia hora a cena se repetia. Meu marido, desesperado, tanto quanto eu, quis tirar a roupa toda dele.

Imaginem a cena: A criança chorando, se debatendo e nós tentando trocá-lo.  Depois disso, comecei a fazer uma prece repetidamente. Dizem que oração de mãe tem um poder maior! Não sei se foi a roupa, se foi a prece, se foi o estágio do sono, só sei que depois das 3h da manhã ele caiu num sono profundo até as 6h30.

E hoje? Hoje não sei o que me aguarda! Mas tentei fazer um ritual mais tranquilo, longe do “manão”, em outro lugar da casa e estou aqui, aguardando a minha noite e torcendo para que isso não se repita.

Um beijo enorme a todas!

Comentários (8)

  1. samanta

    Guria!!! Sério isso?? Que pavor!! Lembro qdo tu contava do Léo…..o bom é que agora tu sabe que logo passa e não deixará traumas!! Querido!!! Que agonia!! Força!!

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Sim minha amiga… Mas pensei que dessa vez não fosse acontecer… Só pensei mesmo…kkkk Obrigada por estar sempre por aqui e contribuindo! Mil bjs

      Reply
  2. Fernanda

    Oi Karine, td bem? Me chamo Fernanda, sou mãe da Gabriela de quase 7 meses. Ela tbm tem esses choros noturnos desesperados…fica de olhos fechados, chorando. Confesso q não são tão longos como os do Pedro mas,fico desesperada! E tbm acho q em dias mais tranquilos ela tem menos choros noturnos. Que tenhamos força para ajudá-los. Uma ótima noite…adoro teus textos. Bjs

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Obrigada Fernanda! Fico feliz em saber que não estou sozinha. A força de uma mãe é tão grande quanto o amor pelos filhos. Obrigada pela contribuição e por nos acompanhar. Bjs

      Reply
  3. Mônica Dalla Corte

    Kari, também passei por isso é às vezes ainda acontece com o Ricardo! É horrível, somos impotentes. Também minha reação é pedir que o anjinho dá guarda afaste tudo que for ruim de perto dele. Mas entro em pânico de ver ele chorando, tremendo e se debatendo. Forte abraço.

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Moni! Falaste tudo! Sensação de impotência mesmo. Mas certamente isso passará. Nosso amor é maior que tudo. bjs e obrigada pela contribuição.

      Reply
  4. cristiane

    Passei aqui em casa com a minha filha, ela já estava com dois anos e meio e foi uma semana direto, todas as noites. Não sabia mais o que fazer… E durou mais de meia hora ela chorando e se debatendo.. Só que passa por isso sabe quão angustiante que é.
    Agora já faz uns dois meses que já está mais calmo por aqui…

    Reply
    1. Karine Callegari (Post author)

      Cris obrigada por compartilhar! É muito angustiante mesmo. Mas nós mães aguentamos no osso e faremos sempre o melhor e com amor. Bjs

      Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>